Síndrome da projeção: as pessoas que acham que você quer aquilo que você nem quer

 Não é minha culpa a sua projeção*

Por Raulino Júnior ||Texto de Quinta|| 

A Psicologia trata a projeção com um mecanismo de defesa e isso não é muito difícil de perceber nas relações humanas do dia a dia. Algumas pessoas projetam nas outras aquilo que está nelas e que, por alguma razão, elas não aceitam; tanto de bom quanto de ruim. Quando a característica é ruim, fica fácil de entender por que elas querem se livrar. Quando é boa, não, mas Freud explica: "Dentre as teorias psicológicas, a que mais utiliza a projeção no arcabouço teórico é a Psicanálise. Para explicitar a manifestação da projeção, a teoria psicanalítica ampliou o sentido e definição do conceito, concebendo-a como uma operação na qual o sujeito expulsa de si e localiza no outro, pessoa ou coisa, as qualidades, os desejos, os afetos, os sentimentos e até mesmo os 'objetos' que estão internalizados e ele desdenha e/ou recusa aceitar e/ou admitir que lhe são pertencentes". Esse trecho foi retirado do artigo Desvendando o Mecanismo da Projeção, escrito pelas professoras Ana Lucia Barreto da Fonsêca e Maria do Socorro Sales Mariano, e publicado em 2008, na Revista Psicologia em FocoA reflexão feita aqui vai se concentrar nos desejos que, muitas vezes, pertencem a uma pessoa e ela sai por aí projetando nos outros. Eu, hein!

O ser humano é, como bem diz o clichê, uma caixinha de surpresa. Quando você menos espera, ele te surpreende. Afinal, o que é que faz uma pessoa supor o que a outra quer da vida? Ou deve se achar muito poderosa ou, e é o mais lógico, é uma forma de extravasar aquilo que se reprime. Só pode. Deve ter uma satisfação, algum prazer bem estranho, em achar que todo mundo quer aquilo que, provavelmente, quem projeta é quem deseja. Não é todo mundo. Nunca vai ser, por sinal. Isso também é problema de leitura. Ou seja: de como a gente lê o outro. Por puro preconceito, e não tem outro nome para isso, a leitura pode ser bastante equivocada. Nesse sentido, o dono da projeção perde um tempo supondo algo que acredita ser um desejo da vida alheia e abdica da própria vida e dos próprios sonhos. Evocando o poeta: eu não consigo entender essa lógica

Uma pessoa sabe muito bem o que ela quer para si. Sempre sabe. Pode acontecer de ela ficar insegura, de não querer falar para o mundo de imediato, de protelar, mas sempre vai achar um caminho para se mostrar e outras pessoas que vão apoiá-la no sonho que ela tem. Agora, quem faz projeções achando que alguém quer ou deveria fazer isso ou aquilo, deve, numa boa, procurar ajuda, porque "alguma coisa está fora da ordem"**

Às vezes, a pessoa está ali, na dela, fazendo as coisinhas dela, sendo bem-sucedida nos objetivos que ela traçou, e o que ela quer é, simplesmente, ter saúde para continuar fazendo o que ela faz. Qualquer projeção alheia é só uma projeção alheia mesmo. Fica para quem projetou. Principalmente, porque, com certeza, deve ser uma vontade dessa pessoa, não do projetado. "Perceba que não tem como saber/São só os seus palpites na sua mão".

Então, e isso não é uma projeção, é apenas um exemplo, se você quer ser o novo digital influencer, seguido por 7 bilhões de pessoas, e quer participar do Encontro com Fátima Bernardes para discutir pautas que têm relação com o que você faz nas redes sociais digitais: vai lá, fio! Traça os seus objetivos, entra de cabeça e faz acontecer. Joga para o Universo! Lembre-se: esse é um desejo seu, não é de todo mundo. É verdade que muita gente quer isso, mas tem muita gente também que não quer! Eu não quero! Não considero que isso seja importante para a minha vida nem para os objetivos que traço para mim. Mas você quer? Se sim, vai, fio! Boa sorte! Arrebenta! Vou torcer por você! Pode acreditar!

Eu quero ser o que eu sou. Eu sempre quis ser jornalista. E sou. Sempre quis fazer atividades ligadas à produção cultural. E faço. Sempre gostei de cantar. E canto. Adoro dançar. E danço. Até ser professor, que foi algo que nunca almejei, aconteceu na minha vida e levo com paixão e responsabilidade, pois quero ser uma referência positiva na vida dos meus educandos e contribuir para um mundo melhor. Sou, exatamente, o que eu quero ser, não o que projetam. Sei muito bem o que quero para a minha vida. Desde o final da adolescência.

Portanto, não projete o que você quer para uma outra pessoa (a ambiguidade é de propósito!). Fique para você. Não reprima o seu id, considere o seu ego e não se importe tanto com o superego. Seja o que sente. Faça o que sente. Muitas vezes, o que a pessoa quer mesmo é só dançar o Tchan na frente do espelho (e postar, se ela quiser!), e você aí achando que ela quer "mitar" nas redes sociais digitais. Não, fio. Isso é próprio da sua geração. Quer? Vai lá e faz. Boa sorte! "Sou mais do que o seu olho pode ver". "Lide com isso", como diz Djamila Ribeiro.

____

Postar um comentário

0 Comentários