Em outubro, Salvador recebe curso e lançamento de livro sobre Dorival Caymmi

A obra e o curso têm como foco a relação do cancioneiro e da vida de Dorival com questões raciais
Imagem: divulgação

Há 11 anos, o Brasil perdeu um dos artistas mais importantes da cultura nacional: Dorival Caymmi. Aquele 16 de agosto de 2008 ficou mais triste com a partida de Dorival, aos 94 anos, vítima de um câncer. Como a obra artística serve, entre outras coisas, para imortalizar os seus criadores, com Dorival não seria diferente. Tanto que o interesse pelo seu cancioneiro permanece vivo e contribuindo para que ele se mantenha presente e conhecido pelas novas gerações. Uma ação nesse sentido é o curso Dorival Caymmi: canções, imagens e histórias de um Buda Nagô, que será realizado em Salvador, nos dias 15, 17, 18 (das 18h30 às 21h30) e 19 (das 14h às 17h) de outubro, na Aliança Francesa, que fica na Ladeira da Barra (Avenida Sete de Setembro). O historiador Vítor Queiroz, professor e responsável pelo curso, pretende refletir sobre experiências raciais no Brasil através da vida e da obra de Caymmi. "O objetivo do curso é refletir sobre Dorival, informar sobre Dorival, conhecer sobre o trabalho dele e também refletir sobre experiências raciais  no Brasil a partir desse ângulo. Que ângulo Dorival pode nos colocar para compreendermos essas questões? O que é que a gente pode ver e ouvir através dele e também o que a gente pode aprender com Dorival? O curso vai ser um passeio muito divertido sobre as canções, a gente vai passar pelas as amizades, por todas as pessoas, desde Jorge Amado, Carybé, Verger, assim como outras pessoas que levaram adiante essa figura pública. Ou seja, seus regravadores, seus familiares, Gilberto Gil, Caetano Veloso, enfim, uma série de pessoas que retrabalharam essa figura e recolocaram essa figura", explica. Os interessados em participar da atividade deverão fazer o investimento de R$ 190, que corresponde ao total de 12 horas de aula. Também será possível fazer aulas avulsas, pagando R$ 60 por dia. Para fazer a inscrição, basta entrar em contato pelo telefone/WhatsApp (71) 99123-9050. As aulas serão ministradas de acordo com cronograma a seguir:

Aula 1 (15/10) – O gênio da raça: imagens de Dorival Caymmi, experiências raciais na velha São Salvador em torno do álbum “Caymmi”, de 1972;

Aula 2  (17/10) – A conquista do Rio de Janeiro: o velho compositor, o início da carreira de Caymmi, críticas, linhagens e homenagens;

Aula 3 (18/10) – Os patriarcas da baianidade: identidade baiana e candomblé: Jorge Amado, Caymmi Pierre Verger e Carybé;

Aula 4 (19/10) – Canções praieiras: estética caymmiana, aprendizagens e influências: canções como fontes e objetos de estudo.

Lançamento de livro

Dias antes do curso (4 de outubro, às 18h30, na Aliança Francesa), os soteropolitanos vão poder conferir o lançamento do livro Dorival Caymmi - A pedra que ronca no meio do mar, de autoria de Vítor. A publicação é oriunda da tese dele, defendida em 2017, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (IFCH/UNICAMP). O trabalho, intitulado A pedra que ronca no meio do mar: baianidade, silêncio e experiência racial na obra de Dorival Caymmi, foi orientado pela docente Heloísa Pontes e co-orientado por Luiz Gustavo Freitas Rossi. O livro será vendido por R$ 50.

Imagem: site da editora Papéis Selvagens

Indagado sobre qual singularidade de Dorival descobriu na sua investigação, algo novo, para além do folclore, Vítor esclarece: "O livro foge de uma perspectiva folclórica, de certa forma. Na verdade, não é um livro de fofoca, não é uma biografia, não é um livro de causos curiosos. Outros trabalhos anteriores já fizeram isso. Fujo desses estereótipos e, por outro lado, analiso esses estereótipos. Então, a singularidade surpreendente de Dorival que eu mostro no livro é que pego a figura de Dorival para pensar sobre raça no Brasil, sobre questões raciais, experiências raciais ao longo do século 20. Eu analiso como Dorival, através de um monte de estereótipos, de um monte de seguidores, releituras de sua obra, e através da agência dele também, obviamente, lidou com essa série de estereótipos e expectativas raciais. O livro olha para Dorival querendo falar de questões raciais e olha para questões raciais falando de Dorival. São as duas coisas juntas e indissociáveis. A singularidade é como ele alinhavou tudo isso com, primeiro, uma maestria muito grande, o que explica o sucesso dele. Na verdade, a pesquisa começa daí. Como ele manteve o sucesso durante quase 70 anos de carreira? Grande parte da resposta é exatamente isso, como ele lidou com esse jogo de expectativas e ambiguidades que formam a figura dele, que formam a figura pública dele, como ele lidou de um jeito magistral. E também como ele lida com tudo isso a partir de uma posição silenciosa. Então, na verdade, a singularidade dele é essa. Como é que uma pessoa lidou com essas questões de uma maneira muito sutil, muito delicada e muito sábia, muito sagaz".

Vítor Queiroz

Foto: reprodução do site da Unicamp

Além de historiador, o soteropolitano Vítor Queiroz é mestre em História Social da Cultura pela Universidade Estadual de Campinas e doutor em Antropologia, também pela Unicamp. Em janeiro de 2018, Vítor ministrou o curso livre de Música Popular Brasileira, oferecido pelo Centro de Formação em Artes (CFA), da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), em Salvador. Na ocasião, o Desde fez uma cobertura exclusiva e produziu a série de reportagens Música Popular Brasileira em Curso, que pode ser lida neste link: MPB em Curso.

Postar um comentário

0 Comentários